15 de julho de 2009

texto da gaveta (sem título)

Formara-se recentemente, com sofreguidão. Sonhava com o magistério, mas não tinha paciência para tanta teoria. Passara, enfim, e agora, como as coisas teimam em ser, era hora de se arrumar financeiramente. Arrumou uma vaga de professor numa escolinha municipal, ganhando uma merreca, mas sabendo que é um passo de cada vez. Foi mandado para alguma instituição burocrática do governo para regularizar algo, ou fazer pedido de qualquer coisa.
"Nome?", o atendente brusco, sem tirar os olhos do formulário que preenchia. "Francisco de Oliveira", a resposta veio numa tentativa de simpatia, como um tratado de paz. A resposta à proposta de tratado foi um tiro de canhão: "Ocupação?"; "Muita!". O atendente murmurou um riso, daquele tipo que deixa o piadista sem graça. Não levantou os olhos do papel. "Sério, senhor, tem gente esperando. O que o senhor faz?". A pergunta foi bem abrangente, e, olhando pra trás, não havia ninguém esperando. "Eu dou aulas, escrevo, faço alguns trabalhos de digitação e sou músico também."
O atendente levantou os olhos e suspirou. "Tenho que botar a atividade principal. O senhor é professor?"; "Sim.", resignou-se o cansado apaziguador. "De quê o senhor dá aula?"; "Filosofia."; "Eu imaginei. Tenho um primo que faz filosofia. Ele também complica tudo, e também usa barba e cabelo comprido.".
Francisco de Oliveira terminou de fazer o que tinha ido fazer, sério, e saiu pela porta resmungando. "'Eu imaginei'... Olha só que absurdo. Funcionário público incompetente." Saiu pela rua, indignado, como qualquer filósofo se sentiria ao se descobrir tão óbvio, e foi cortar o cabelo.

4 comentários:

Alessandra IFCS disse...

Perfeito!!! Um retrato fiel daquilo que vemos todos os dias, em todos as repartições públicas deste país.

Li alguns de seus textos e os mesmos são muito bons. Você devia pensar seriamente em publicá-los. :)

Daniel Contage disse...

Mais ou menos, né, Alessandra! Tá bem exageradinho. Até porque quando escrevi isso nem tinha ideia de como funcionava uma repartição ou o que a gente precisava fazer numa pra poder dar aula.. Hahahaha! Mas valeu pelo toque de humor, acho.

Enfim, valeu mesmo pelos elogios, é sempre bom ouvi-los!
E claro, quando você achar alguém disposto a publicar algo meu, me avise, hem! :)

Rafael Shimoda disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Ta explicado! Foi por isso q vc cortou o cabelo, né?!!? Só pra não falarem que vc se enquadra no esteriótipo de um filósofo!!

aushdfuashduahdaf


p.s.: vc vai no show do Rappa??

Daniel Contage disse...

Hahahahahahaha haha ha ha ha.





Foi.