22 de julho de 2009

texto da gaveta (Morte da filosofia)

Definho.
De fino jantar à mesa posto,
recuso-o. Banqueteio Cagliostro.
Desgosto..
Desse gosto que não esqueço,
desse gosto ou desse o avesso;
Apareço?
A preço baixíssimo ponho
o apreço por qualquer sonho.
Expõe-o!
Espanta que esse um espinho
fira-me tanto, sozinho!
Definho...

4 comentários:

Daniel Contage disse...

Como disse antes, não são bons textos.

Bianca Burnier disse...

O que seria o bom para você?

Daniel Contage disse...

Ah, o que é O Bom é uma questão muito filosófica, e não vai ser nada interessante se eu derramar filosofismo aqui.

Já o que é boa literatura pra mim.. Bem, defini isso no texto Akasha, que é a única razão desses textos que não são muito bons estarem aqui.




Ok, é mentira. Minha falta de criatividade pra escrever coisas novas é um motivo relevante também. ^^






Tipo, eu até gosto desses bobinhos da gaveta, mas acho que é uma coisa de afetividade, nostalgia, relação criador-criatura, sei lá.

Por que, Carol, você gostou?

Bianca Burnier disse...
Este comentário foi removido pelo autor.